Grandezas e Unidades para Radiação Ionizante

Grandezas e Unidades para Radiação Ionizante

Autores: Manoel Mattos Oliveira Ramos; Luiz Tauhata.

O Laboratório Nacional de Metrologia das Radiações Ionizantes (LNMRI) é responsável, por designação do INMETRO, desde 1989, pela guarda e disseminação dos padrões nacionais das unidades SI das grandezas físicas kerma, fluência, equivalente de dose, dose absorvida e atividade para as várias aplicações das radiações ionizantes na indústria, na medicina e outros campos.
A estrutura do LNMRI consiste em dois Serviços: Metrologia de Radionuclídeos (SEMRA) e Dosimetria das Radiações (SEMRI) os quais são subdivididos em grupos técnicos. O SEMRA cuida das grandezas associadas à radioatividade e dos coeficientes de interação e o SEMRI trata de grandezas associadas à radioterapia, radiodiagnóstico e radioproteção.
No presente documento o LNMRI referenda documentos internacionais e recomenda as grandezas para medição de radiações ionizantes para as diversas áreas. Tabelas com definições, símbolos e fórmulas foram acrescentadas de modo a concatenar informações pertinentes e servir como um glossário.
Nas tabelas, foram indicadas as publicações e edições das Normas da CNEN para fins de compreensão e esclarecimento das eventuais mudanças de valores. Adicionalmente são apresentados importantes fatores de conversão, limites, níveis e constantes físicas frequentemente usados nas práticas com radiações ionizantes.

Para baixar a apostila completa acesse:

RAMOS, Manoel Mattos Ramos; TAUHATA, Luiz (Coord.). Grandezas e Unidades para Radiação Ionizante. ed. rev. Rio de Janeiro: INMETRO/ IRD/ CNEN/ MCT, 2011.
(Tamanho: 575 KB)

Artigos relacionados:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Notas de Aula: Física Aplicada a Imaginologia – Parte 1

Notas de Aula - Física Aplicada a Imaginologia_parte 1

Autor: Luciano Santa Rita Oliveira.

Para visualizar e baixar a apresentação completa acesse:

OLIVEIRA, Luciano Santa Rita. Notas de Aula: Física Aplicada a Imaginologia – Parte 1. [S.l], 2014. 51 Slides: color.
(Tamanho: 1,36 MB)

Artigos relacionados:

Artigos da mesma fonte:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Apostila Educativa CNEN: Radioatividade

Autores: Eliezer de Moura Cardoso; Ismar Pinto Alves; José Mendonça de Lima; Luiz Tahuata; Paulo Fernando Lavalle Heilbron Filho; Claudio Braz; Sonia Pestana.

Apostila Educativa CNEN - Radioatividade

Para visualizar e baixar a apostila completa acesse:

CARDOSO, Eliezer de Moura; et. al. Apostila Educativa CNEN: Radioatividade. Rio de Janeiro: Comissão Nacional de Energia Nuclear.
(Tamanho: 198 KB)

Artigos relacionados:

Artigo da mesma fonte:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.

Padronização das Técnicas Radiológicas Empregadas nos Exames de Tórax como Proposta para Rede Hospitalar do Distrito Federal

Padronização das Técnicas Radiológicas Empregadas nos Exames de Tórax como Proposta para Rede Hospitalar do Distrito Federal

Autora: Rosângela Thomé da Silva.

O uso de equipamentos em radiodiagnóstico em hospitais é uma prática muito comum para realizar diferentes tipos de exames, sendo a radiografia de tórax um dos mais solicitados. Nos centros de diagnóstico por imagem, encontra-se uma equipe multiprofissional que estão sujeitos à exposição da radiação, além dos pacientes e do público em geral. O objetivo deste estudo foi analisar o número de repetições e rejeitos nas radiografias torácicas, além de avaliar as condutas e a qualificação profissional dos técnicos em radiologia nos Hospitais Públicos do Distrito Federal. Foram acompanhados 150 pacientes em três centros de diagnóstico por imagem. Em cada unidade foram acompanhados 25 exames do tórax em apenas observação e 25 exames sugerindo o uso do espessômentro para a obtenção da quilovoltagem ideal para cada paciente. Também foi aplicado um questionário para os 34 técnicos que concordaram em participar da pesquisa. Outros itens também foram abordados e anotados como: o uso do jaleco, uso do crachá profissional de identificação e do dosímetro. A partir dos dados coletados, durante a pesquisa, foram aplicados os tratamentos estatísticos e com os resultados foi possível traçar uma proposta para padronização das técnicas radiológicas. Em relação ao número de repetições dos exames radiológicos foram observados que sem o uso do espessômetro foram repetidos 38,6% das radiografias de tórax e, com o uso do espessômetro e da fórmula para calcular a quilovoltagem, foram repetidos 14,6% dos exames. A média do tempo de execução dos exames com o uso do espessômetro foi de 239,44 segundos e, quando não se utilizou o espessômetro a média de tempo foi de 398,65 segundos, levando em consideração o tempo de espera para a realização dos procedimentos. A cerca dos indivíduos ocupacionalmente expostos, o estudo revelou que 64,7% são do sexo masculino e que a média de idade é de 38,7 anos, a média do tempo de formação é de 12,4 anos. Observou-se, ainda, que todos os técnicos em radiologia usavam o crachá funcional e que 53% usavam jaleco e 47% portavam dosímetro durante a realização dos exames. O presente estudo propõe a criação de uma Central Única de Laudos, assim como um Programa de Educação Permanente no sentido de elevar a qualidade dos processos, produtos e serviços. Propõe também uma reflexão sobre os diferentes fatores envolvidos no processo e vem contribuir para promover uma maior conscientização da organização e do profissional.

Para visualizar e baixar a dissertação completa acesse:

SILVA, Rosângela Thomé da. Padronização das Técnicas Radiológicas Empregadas nos Exames de Tórax como Proposta para Rede Hospitalar do Distrito Federal. Brasília, 2013. Dissertação (Mestrado em Engenharia Biomédica) – Faculdade UNB Gama, Universidade de Brasília, Brasília, 2013.
(Tamanho: 3,73 MB)

Artigos relacionados:

Artigos da mesma fonte:

 

Copyrigth
Copyright – Todos os direitos reservados ao autor.

Avaliação da Base Metrológica para Calibração dos Sistemas Dosimétricos em Tomografia Computadorizada

Avaliação da Base Metrológica para Calibração dos Sistemas Dosimétricos em Tomografia Computadorizada

Autora: Juliana Viégas Pereira.

As grandezas dosimétricas utilizadas em tomografia computadorizada (TC) foram definidas com o objetivo de avaliar as doses de radiação no paciente para fins de otimização e para verificar o desempenho dos equipamentos de TC. Neste trabalho foi estabelecida uma base metrológica para implantação de um procedimento de calibração de sistemas utilizados para dosimetria na área de tomografia computadorizada. Esta base metrológica consistiu na verificação da confiabilidade dos sistemas dosimétricos, na reprodução das qualidades de radiação de referência para feixes de tomografia computadorizada e na implantação da metodologia de calibração de câmaras do tipo lápis e de dosímetros termoluminescentes com a avaliação das incertezas associadas. O trabalho foi realizado no Laboratório de Calibração de Dosímetros do Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear (LCD/CDTN), seguindo as indicações do Technical Report Series No. 457, “Dosimetry in Diagnostic Radiology: An International Code of Practice” – TRS457 da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) de 2007 e da International Electrotechnical Commission, “Medical Diagnostic X-Ray Equipment – Radiation Conditions for Use in the Determination of Characteristics” – IEC 61267 de 2005. Os resultados da confiabilidade dos sistemas padrões sugerem que os limites estabelecidos pela IEC 61674 podem estar inadequados para o uso de câmaras de ionização tipo lápis. As radiações de referência RQR e RQT foram estabelecidas dentro dos limites de tolerância de 0,485 à 0,515. A caracterização metrológica de dosímetros termoluminescentes (TL) tem uma importante função na medição de doses em pacientes submetidos a exames de radiodiagnóstico. Os dosímetros termoluminescentes foram calibrados e apresentaram uma incerteza expandida inferior a 25% demonstrando que estão em condições de serem utilizados na dosimetria de pacientes. A câmara de ionização 10X5-3CT foi calibrada no Laboratório de Calibração de Instrumentos do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (LCI /IPEN) e no Laboratório do CDTN os resultados dos coeficientes de calibração variaram de 0,3% à 1,3%; isto evidencia a coerência metrológica entre os procedimentos de calibração adotados, já que as diferenças estão dentro das incertezas expandidas de ± 3,0% e ± 3,34%, respectivamente. Ao ser comparado o procedimento adotado no CDTN com o procedimento sugerido pelo Código de Prática TRS 457 os resultados dos coeficientes de calibração da câmara lápis apresentaram uma variação de até 6 % e uma incerteza expandia de ± 2,08%. Os dados obtidos permitem concluir que a base metrológica foi implantada, porém, antes de fornecer o serviço de calibração para a comunidade estudos detalhados no procedimento e comparações adicionais são necessários.

Para visualizar e baixar a dissertação completa acesse:

PEREIRA, Juliana Viégas. Avaliação da Base Metrológica para Calibração dos Sistemas Dosimétricos em Tomografia Computadorizada. Belo Horizonte, 2011. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia das Radiações) – Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear, Comissão Nacional de Energia Nuclear, Belo Horizonte, 2011.
(Tamanho: 4,34 MB)

Artigos relacionados:

Copyrigth
Copyright – Todos os direitos reservados ao autor.

Estudo dos Parâmetros Físicos Envolvidos com a Qualidade da Imagem em Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico

Estudo dos Parâmetros Físicos Envolvidos com a Qualidade da Imagem em Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico

Autor: Elias Cantarelli Hoffmann.

Equipamentos de tomografia computadorizada de feixe cônico (CBCT) vêm sendo utilizados em radiodiagnóstico de cabeça e pescoço por odontologistas, traumatologistas e otorrinolaringologistas. Neste estudo foram investigados parâmetros físicos relacionados com a qualidade das imagens obtidas em dois equipamentos de CBCT. O estudo realizado baseou-se nas Diretrizes de Proteção Radiológica em Radiodiagnóstico Médico e Odontológico do Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância Sanitária – Portaria 453 de 01 de junho de 1998, e nos testes de desempenho de equipamentos e segurança da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Nessa investigação, desenvolveram-se objetos atenuadores de radiação por meio de prototipagem rápida utilizando um termoplástico denominado ABSplus, e analisaram-se qualitativamente e quantitativamente a uniformidade do Número CT (HU) e o nível de ruído de imagens adquiridas em dois equipamentos. Ademais, analisaram-se qualitativamente a resolução em contraste e a resolução espacial. Os resultados obtidos em relação à uniformidade do Número CT não apresentaram concordância com os valores previstos pelo manual de desempenho de equipamentos da ANVISA. Em relação aos resultados sobre o nível de ruído apresentado pelas aquisições tomográficas não pôde-se concluir sobre concordância em relação aos valores previstos pelo manual de desempenho de equipamentos da ANVISA, pois os fabricantes não informaram os valores de ruídos referentes à linha de base dos equipamentos. Em relação à resolução em contraste, as imagens tomográficas mostraram que os sistemas de CBCT investigados não apresentaram resolução em baixo contraste satisfatória. Este resultado deve-se ao elevado nível de ruído devido às baixas intensidades de correntes elétricas nos tubos de raios X. Em relação à resolução espacial, na imagem do objeto simulador denominado quadrante, adquirida no equipamento i-CAT, notou-se que os orifícios com 1 mm de diâmetro apresentaram borramentos prejudiciais para o contraste entre o ABSplus e o ar. No entanto, os padrões de deposição do ABSplus no objeto atenuador puderam ser definidos juntamente aos outros orifícios. Em relação ao objeto simulador EVP, as características geométricas puderam ser observadas com borramentos irrelevantes quanto à resolução de alto contraste. Nas imagens adquiridas no equipamento Planmeca 3D s não observaram-se diferenças de baixo contraste entre o ABSplus e a água. Constatou-se que os valores medidos e calculados de uniformidade não estiveram de acordo com o previsto pelo manual de desempenho de equipamentos da ANVISA. A discrepância, entre os valores de uniformidade previstos e determinados neste estudo, evidencia a necessidade de submeter os equipamentos CBCT a testes de controle da qualidade. Sugere-se o desenvolvimento de metodologias de garantia de controle da qualidade em CBCT visando uma incorporação futura aos testes de desempenho da ANVISA.

Para visualizar e baixar a monografia completa acesse:

HOFFMANN, Elias Cantarelli. Estudo dos Parâmetros Físicos Envolvidos com a Qualidade da Imagem em Tomografia Computadorizada de Feixe Cônico. 2010. 63 f. Monografia (Bacharelado em Física Médica) – Faculdade de Física, Pontífice Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.
(Tamanho: 2,64 MB)

Artigos relacionados:

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.

Apostila Educativa CNEN: Aplicações da Energia Nuclear

Apostila Educativa CNEN - Aplicações da Energia NuclearAutor: Eliezer de Moura Cardoso.

Infelizmente são pouco divulgados os grandes benefícios da energia nuclear.
A cada dia, novas técnicas nucleares são desenvolvidas nos diversos campos da atividade humana, possibilitando a execução de tarefas impossíveis de serem realizadas pelos meios convencionais.
A medicina, a indústria, particularmente a farmacêutica, e a agricultura são as áreas mais beneficiadas.
Os isótopos radioativos ou radioisótopos, devido à propriedade de emitirem radiações, têm vários usos. As radiações podem até atravessar a matéria ou serem absorvidas por ela, o que possibilita múltiplas aplicações. Mesmo em quantidades cuja massa não pode ser determinada pelos métodos químicos, a radiação por eles emitida pode ser detectada. Pela absorção da energia das radiações (em forma de calor) células ou pequenos organismos podem ser destruídos. Essa propriedade, que normalmente é altamente inconveniente para os seres vivos, pode ser usada em seu benefício, quando empregada para destruir células ou microrganismos nocivos.
A propriedade de penetração das radiações possibilita identificar a presença de um radioisótopo em determinado local.

Para visualizar e baixar a apostila completa acesse:

CARDOSO, Eliezer de Moura. Apostila Educativa CNEN: Aplicações da Energia Nuclear. Rio de Janeiro: Comissão Nacional de Energia Nuclear.
(Tamanho: 286 KB)

Artigos relacionados: