Category: Ressonância Magnética

Ressonância Magnética Multiparamétrica da Próstata: Conceitos Atuais

Ressonância Magnética Multiparamétrica da Próstata - Conceitos Atuais

Autores: Leonardo Kayat Bittencourt; Daniel Hausmann; Natalia Sabaneeff; Emerson Leandro Gasparetto; Jelle O. Barentsz.

O estudo por ressonância magnética multiparamétrica, ou funcional, vem evoluindo para se tornar o pilar fundamental no manejo diagnóstico de pacientes com câncer de próstata. Geralmente, o exame consiste em imagens pesadas em T2, difusão, realce dinâmico pelo contraste (permeabilidade), e cada vez menos frequentemente espectroscopia de prótons. Tais técnicas funcionais relacionam-se com propriedades biológicas do tumor, de modo que a difusão se relaciona com a celularidade e os escores de Gleason, a permeabilidade se relaciona com a angiogênese, e a espectroscopia de prótons se relaciona com o metabolismo da membrana celular. O uso destas técnicas em combinação aumenta a confiança diagnóstica e permite uma melhor caracterização do câncer de próstata. Este artigo tem o objetivo de revisar e ilustrar os aspectos técnicos e as aplicações clínicas de cada componente do estudo de ressonância magnética multiparamétrica da próstata, mediante uma abordagem prática.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

BITTENCOURT, Leonardo Kayat; et. al. Ressonância Magnética Multiparamétrica da Próstata: Conceitos Atuais. Radiologia Brasileira, São Paulo, v. 47, n. 5, p. 292-300, set./ out. 2014.
(Tamanho: 562 KB)

In English: Multiparametric Magnetic Resonance Imaging of the Prostate: Current Concepts.

Artigos relacionados:

Artigos da mesma fonte:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Ressonância Magnética Fetal: Uma Revisão Bibliográfica

Ressonância Magnética Fetal - Uma Revisão Bibliográfica

Autoras: Mariana de Souza Cardoso; Karla Alves.

A Ressonância Magnética Fetal avançou nas últimas décadas, permitindo sequências rápidas e imagens definidas. Sua principal contribuição é no Sistema Nervoso Central, já que demonstra imagens bem definidas, enquanto na ultrassonografia há artefatos oriundos da calota craniana. O objetivo do estudo foi destacar as vantagens e desvantagens do método através de revisão bibliográfica. Concluiu-se que o exame traz informações adicionais em relação ao ultrassom, mas devido seu alto custo e limitação no primeiro trimestre é recomendável que seja realizado como um exame complementar.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

CARDOSO, Mariana de Souza; ALVES, Karla. Ressonância Magnética Fetal: Uma Revisão Bibliográfica. Revista UNILUS Ensino e Pesquisa, Santos, v. 11, n. 5, p. 10-17, out./ dez. 2014.
(Tamanho: 418 KB)

Artigos relacionados:

Artigos da mesma fonte:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.

Técnicas de Segmentação e Classificação de Imagens em Exames de Ressonância Magnética Nuclear

Técnicas de Segmentação e Classificação de Imagens em Exames de Ressonância Magnética Nuclear

Autor: Carlo Foletto Lucas.

A tecnologia de geração de imagens por Ressonância Magnética é uma importante ferramenta de apoio ao diagnóstico médico, devido, principalmente, à sua característica não-invasiva e por disponibilizar uma grande quantidade de informação sobre as estruturas fisiológicas analisadas.
No entanto, existem diversos cuidados que devem ser tomados em relação à movimentação do paciente para que a imagem final não sofra com um excesso de ruídos. Atualmente, a avaliação da movimentação do paciente é feita por um técnico especializado e, portanto, está sujeita a erro humano.
Este trabalho propõe um processo de avaliação, quantificação e classificação das imagens através de um processo automatizado, visando a implementação na máquina de ressonância magnética.

Para visualizar e baixar a monografia completa acesse:

LUCAS, Carlo Foletto. Técnicas de Segmentação e Classificação de Imagens em Exames de Ressonância Magnética Nuclear. Porto Alegre, 2014. Monografia (Graduação em Engenharia da Computação) – Faculdade de Engenharia e Informática, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.
(Tamanho: 2,18 MB)

Artigos relacionados: