Tagged: artigo

Uso da Ultrassonografia como Exame Complementar Durante o Processo Diagnóstico do Cirurgião-Dentista em Lesões Bucomaxilofaciais

Autoras: Rafaela Aquino Frare; Fernanda Gonçalves Salum; Karen Cherubini; Maria Antonia Zancanaro Figueiredo.

O processo diagnóstico abrange uma série de dados durante a anamnese e exame físico do paciente. Quando não for possível definir o mesmo através do exame clínico, a solicitação de exames complementares torna-se imprescindível para estabelecer o diagnóstico conclusivo. Entre os métodos utilizados atualmente, podemos destacar a ultrassonografia, que é considerado um exame seguro, sem efeitos deletérios ao paciente e de baixo custo. Contudo, a ecografia não parece ser um exame solicitado rotineiramente pelo cirurgião-dentista. Acredita-se que o desconhecimento dos profissionais da odontologia em relação as suas indicações de uso e vantagens, possa favorecer esta prática. A partir das informações mencionadas, este estudo se propõe a avaliar, através do preenchimento de um instrumento (questionário) desenvolvido especificamente para este fim, o grau de conhecimento e utilização da ultrassonografia por cirurgiões-dentistas clínicos e especialistas que exerçam suas atividades profissionais nos últimos 12 meses.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

FRARE, Rafaela Aquino; et. al. Uso da Ultrassonografia como Exame Complementar Durante o Processo Diagnóstico do Cirurgião-Dentista em Lesões Bucomaxilofaciais. Revista Odontológica do Brasil-Central, Goiânia, v. 23, n. 65. p. 104-107, 2014.
(Tamanho: 670 KB)

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.

Ressonância Magnética Multiparamétrica da Próstata: Conceitos Atuais

Ressonância Magnética Multiparamétrica da Próstata - Conceitos Atuais

Autores: Leonardo Kayat Bittencourt; Daniel Hausmann; Natalia Sabaneeff; Emerson Leandro Gasparetto; Jelle O. Barentsz.

O estudo por ressonância magnética multiparamétrica, ou funcional, vem evoluindo para se tornar o pilar fundamental no manejo diagnóstico de pacientes com câncer de próstata. Geralmente, o exame consiste em imagens pesadas em T2, difusão, realce dinâmico pelo contraste (permeabilidade), e cada vez menos frequentemente espectroscopia de prótons. Tais técnicas funcionais relacionam-se com propriedades biológicas do tumor, de modo que a difusão se relaciona com a celularidade e os escores de Gleason, a permeabilidade se relaciona com a angiogênese, e a espectroscopia de prótons se relaciona com o metabolismo da membrana celular. O uso destas técnicas em combinação aumenta a confiança diagnóstica e permite uma melhor caracterização do câncer de próstata. Este artigo tem o objetivo de revisar e ilustrar os aspectos técnicos e as aplicações clínicas de cada componente do estudo de ressonância magnética multiparamétrica da próstata, mediante uma abordagem prática.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

BITTENCOURT, Leonardo Kayat; et. al. Ressonância Magnética Multiparamétrica da Próstata: Conceitos Atuais. Radiologia Brasileira, São Paulo, v. 47, n. 5, p. 292-300, set./ out. 2014.
(Tamanho: 562 KB)

In English: Multiparametric Magnetic Resonance Imaging of the Prostate: Current Concepts.

Artigos relacionados:

Artigos da mesma fonte:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Radioterapia versus Radiossensibilidade Individual

Radioterapia versus Radiossensibilidade Individual

Autoras: Elaine Cristina de Souza Silva; Mariana Brayner Cavalcanti Freire Bezerra; Paula Frassinetti Pereira Carneiro.

A Radioterapia (RT) é uma forma terapêutica que utiliza radiação ionizante (RI) e é amplamente empregada para o tratamento das neoplasias e tem como finalidade erradicar tumores malignos através da distribuição uniforme de RI à massa tumoral, induzindo a morte das células malignas com danos mínimos ao tecido normal adjacente. Entretanto, efeitos indesejáveis precoces ou tardios estão entre os principais fatores de limitação da terapia. Cerca de 10% dos pacientes submetidos ao tratamento radioterápico apresentam algum efeito adverso grave manifestado principalmente nos tecidos sadios o que pode levar a uma diminuição na qualidade de vida e limitar o controle do tumor por causa da dose de radiação administrada, estes efeitos podem estar relacionados a radiossensibilidade individual.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

SILVA, Elaine Cristina de Souza; BEZERRA, Mariana Brayner Cavalcanti Freire; CARNEIRO, Paula Frassinetti. Radioterapia versus Radiossensibilidade Individual. Cadernos de Graduação – Ciências Biológicas e da Saúde, Recife, v. 1, n. 3, p. 11-117, jul. 2014.
(Tamanho: 131 KB)

Artigos relacionados:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.