Tagged: artigo

Avaliação Cintilográfica de Diferentes Doses de Tecnécio-99m na Padronização da Perfusão Pulmonar em Cães da Raça Rottweiller

Avaliação Cintilográfica de Diferentes Doses de Tecnécio-99m na Padronização da Perfusão Pulmonar em Cães da Raça Rottweiller

Autores: Gabriela Silva Rodrigues; Ricardo Romão Guerra; Flávio Ribeiro Alves; André Luís Rezende Franciolli; Phelipe Oliveira Favaron; Fabio Luiz Navarro Marques; Patricia Russano Cuyumjian; Maria Angélica Miglino; Horácio Luis Tommasi JuniorCarlos Alberto Buchpiguel; Pedro Primo Bombonato.

A avaliação da função pulmonar em cães pode ser obtida mediante exames cintilográficos, os quais incluem a injeção de radiofármacos, seguida de radiografias. Neste estudo, foram utilizados 10 cães machos hígidos da raça Rottweiler e radiograficamente normais e soronegativos para dirofilariose, com administração de doses variadas de macroagregado de albumina sérica humana marcados com tecnécio-99m ([99mTc](MAA)). Os resultados foram avaliados qualitativa e quantitativamente, considerando o índice de perfusão pulmonar e sua homogeneidade, sendo dessa maneira visualizado um aumento na homogeneidade da imagem diretamente relacionado ao número de partículas de MAA injetado. Este estudo define os critérios de normalidade e de dosagem na perfusão pulmonar em cães hígidos da raça rottweiller estabelecidos com a técnica de cintilografia.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

RODRIGUES, Gabriela Silva; et. al. Avaliação Cintilográfica de Diferentes Doses de Tecnécio-99m na Padronização da Perfusão Pulmonar em Cães da Raça Rottweiller. Ciência Rural, Santa Maria, v. 40, n. 3. p. 554-560, mar. 2010.
(Tamanho: 198 KB)

Artigos relacionados:

Artigo relacionado:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Avaliação da Utilização de Aparelhos de Raios X em Consultórios Odontológicos em Belo Horizonte, Brasil

Avaliação da Utilização de Aparelhos de Raios X em Consultórios Odontológicos em Belo Horizonte, Brasil

Autores: Maurício Augusto Aquino de Castro; Viviane Lemos Frade Aguiar; Cláudio Roberto Santos; Mara Valadares de Abreu; Evandro Neves Abdo; Efigênia Ferreira e Ferreira.

Objetivo: Avaliar o conhecimento teórico e a prática radiológica dos cirurgiões dentistas no município de Belo Horizonte. Materiais e Métodos: Foi aplicado questionário para 256 dentistas registrados em Belo Horizonte, selecionados aleatoriamente, enfocando aspectos relacionados ao conhecimento teórico e à prática radiológica na clínica odontológica. Os dados foram analisados por meio de análise de frequência e análise bivariada. Resultados: Dos entrevistados, 53,9% possuíam aparelhos de raios X. Destes, 19,6% não conheciam o tipo de aparelho que utilizavam. Os profissionais com até 20 anos de formatura apresentaram maior conhecimento sobre as técnicas radiográficas e sobre as medidas de radioproteção e biossegurança, porém mostraram menor conhecimento sobre as características do aparelho que utilizavam. Por outro lado, os profissionais formados há mais de 21 anos demonstraram maior conhecimento sobre a aparelhagem e menor conhecimento em relação às técnicas radiográficas, medidas de radioproteção e biossegurança. A câmara portátil foi o ambiente de processamento mais utilizado. Conclusão: Detectou-se que a prática radiológica apresenta problemas diferenciados, sugerindo a necessidade de melhorias na formação e atualização profissionais.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

CASTRO, Maurício Augusto Aquino de; et. al. Avaliação da Utilização de Aparelhos de Raios X em Consultórios Odontológicos em Belo Horizonte, Brasil. Arquivos em Odontologia, Belo Horizonte, v. 49, n. 4, p. 191-197, out./ dez. 2013.
(Tamanho: 111 KB)

Artigos relacionados:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.

Técnicas Intervencionistas no Tratamento da Dor

Técnicas Intervencionistas no Tratamento da Dor

Autores: Luciano Braun; Leandro Braun.

As técnicas intervencionistas diagnósticas e terapêuticas têm se desenvolvido muitos nos últimos anos e, juntamente com o tratamento farmacológico e não farmacológico, constituem um dos pilares do tratamento da dor crônica.

As técnicas de bloqueio e os procedimentos intervencionistas podem ser divididas, de uma maneira geral, em três grandes grupos: bloqueios diagnósticos, bloqueios prognósticos e os bloqueios terapêuticos. Os bloqueios prognósticos podem ser realizados para predizer a eficiência de um procedimento neuroablativo terapêutico.

A eficácia das técnicas intervencionistas no tratamento da dor dependerá do correto posicionamento das agulhas e outros dispositivos em estruturas nervosas conhecidas, sob parâmetros anatômicos bem estabelecidos. O uso da fluroscopia com intensificador de imagem ou tomografia computadorizada é considerado essencial na obtenção dos resultados e na prevenção de complicações; contribuindo assim, para o correto diagnóstico e planejamento terapêutico.

As técnicas intervencionistas são usadas para o diagnóstico e tratamento de múltiplas síndromes dolorosas, incluindo dor lombar e cervical crônica, cefaleia cervicogênica, dor abdominal, síndrome pós-laminectomia, síndrome dolorosa miofascial, neuralgia pós-herpética, dor de origem oncológica, fraturas vertebrais, síndrome dolorosa complexa regional tipo 1 e 2, dor central etc.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

BRAUN, Luciano; BRAUN, Leandro. Técnicas Intervencionistas no Tratamento da Dor. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 63, n. 2, p. 49-50, abr. 2011.
(Tamanho: 892 KB)

Artigos relacionados:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.