Padrão de Exposição Radiológica em Profissionais da Saúde Durante Procedimentos Cardiológicos Invasivos

Padrão de Exposição Radiológica em Profissionais da Saúde Durante Procedimentos Cardiológicos Invasivos

Autores: Cristiano de Oliveira Cardoso; Cláudio Vasques de Moraes; Júlio Vinícius de Souza Teixeira; Leandro dos Santos Fischer; Gabriel Garcia Broetto; Bruna Santos Silva; Rogério Fachel de Medeiros; Rogério Sarmento-Leite; Carlos Antônio Mascia Gottschall.

Introdução:

Procedimentos cardiológicos invasivos expõem médicos e enfermeiros/técnicos de enfermagem aos riscos da radiação ionizante. O objetivo deste estudo foi determinar os padrões de exposição radiológica em profissionais da saúde durante procedimentos cardiológicos.

Métodos:

Estudo prospectivo incluindo pacientes submetidos a procedimento cardiológico invasivo entre dezembro de 2011 e agosto de 2012 em equipamento com detectores do tipo plano. Características clínicas, angiográficas e de exposição à radiação foram registradas em banco de dados específico. Os padrões de exposição à radiação foram determinados em pacientes submetidos ao cateterismo cardíaco diagnóstico. Correlação entre dose do médico operador e enfermeiro/técnico de enfermagem também foi efetuada.

Resultados:

Amostra incluiu 119 pacientes submetidos ao cateterismo. A dose de kerma no ar e o produto dose-área médio de radiação recebida pelos pacientes foram de 549 ± 220 mGy e 29.054 ± 14.696 mGy.cm2, respectivamente. Médicos e enfermeiros/técnicos de enfermagem foram expostos à dose efetiva média por exame de 0,47 ± 0,16 e 0,28 ± 0,13 mSv, respectivamente. A correlação entre dose efetiva dos médicos e enfermeiro/técnicos de enfermagem foi de 0,54 ( p < 0,001).

Conclusões:

Médicos e enfermeiros/técnicos de enfermagem são expostos a doses pequenas de radiação ionizante durante cateterismo cardíaco diagnóstico. Enfermeiros/técnicos de enfermagem são expostos a cerca de 60% da dose do médico operador.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

CARDOSO, Cristiano de Oliveira. et al. Padrão de Exposição Radiológica em Profissionais da Saúde Durante Procedimentos Cardiológicos Invasivos. Revista Brasileira de Cardiologia Invasiva, São Paulo, v. 22, n. 4, p. 320-323, out./ dez. 2014.

In English: Pattern of Radiation Exposure in Healthcare Professionals During Coronary Angiography.

by-nc
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Efetividade de Programa de Qualidade em Mamografia para o Sistema Único de Saúde

Efetividade de Programa de Qualidade em Mamografia para o Sistema Único de Saúde

Autores: Rosangela da Silveira Corrêa; Ruffo Freitas-Junior; João Emílio Peixoto; Danielle Cristina Netto Rodrigues; Maria Eugênia Fonseca Lemos; Cíntia Melazo Dias; Rubemar de Souza Ferreira; Rosemar Macedo Souza Rahal.

Objetivo: Avaliar a efetividade de um programa de controle de qualidade de imagem nos serviços de mamografia da rede do Sistema Único de Saúde.

Métodos: Estudo prospectivo com análise temporal do tipo “antes e depois” de uma ação de vigilância em saúde. Participaram do estudo 35 serviços que tinham mamógrafos em operação e realizavam exames regularmente em Goiás entre 2007 e 2009. Foram avaliados os serviços, por testes de desempenho de mamógrafos, processadoras e demais materiais em três visitas técnicas, a qualidade da imagem e a dose de entrada no simulador radiográfico de mama. Cada serviço recebeu uma pontuação correspondente ao percentual dos testes em conformidade com os padrões.

Resultados: Os percentuais médios de conformidade dos serviços foram de 64,1% (± 13,3%) na primeira visita, 68,4% (± 15,9%) na segunda e 77,1% (± 13,3%) na terceira (p < 0,001). As principais melhorias foram decorrentes dos ajustes da força de compressão da mama, do controle automático de exposição e do alinhamento da bandeja de compressão. As doses medidas estavam dentro da faixa de conformidade em 80% dos serviços avaliados.

Conclusões: A implantação do programa nos serviços foi efetiva para a melhoria dos parâmetros de operação do mamógrafo, embora 40% dos serviços não tenham alcançado o nível aceitável de 70%. Este resultado indica a necessidade de haver continuidade na vigilância em saúde.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

CORRÊA, Rosangela da Silveira. et al. Efetividade de Programa de Qualidade em Mamografia para o Sistema Único de Saúde. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 46, n. 5, p. 769-776, out. 2012.

In English: Effectiveness of a Quality Control Program in Mammography for the Brazilian National Health System.

Artigos relacionados:

 

Licença Creative Commons - by
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.

 

Tempo de Espera para Radioterapia em Mulheres com Câncer do Colo do Útero

Tempo de Espera para Radioterapia em Mulheres com Câncer do Colo do Útero

Autoras: Maria Isabel do NascimentoGulnar Azevedo e Silva.

Objetivo: Descrever o tempo de espera para realização de radioterapia em casos de câncer do colo do útero.

Métodos: Estudo descritivo conduzido com 342 mulheres com câncer do colo do útero encaminhadas para radioterapia primária na Baixada Fluminense, RJ, período de 1995 a 2010. O tempo de espera foi calculado tendo como parâmetro o prazo de 60 dias para obter o primeiro tratamento do câncer e considerando a data da confirmação diagnóstica, a da primeira consulta oncológica e da primeira sessão de radioterapia. A comparação de medianas e proporções foi feita pelos testes de Kruskal Wallis e Qui-quadrado.

Resultados: A maioria das mulheres (72,2%) iniciou a radioterapia dentro de 60 dias da data da confirmação diagnóstica. A mediana do tempo de espera total foi de 41 dias. Essa mediana piorou ao longo do período e passou de 11 dias (1995 a 1996) para 64 dias (2009 a 2010). A mediana do intervalo entre confirmação diagnóstica e primeira consulta oncológica foi de 33 dias, e da primeira consulta oncológica à primeira sessão de radioterapia, foi quatro dias. Houve diferença estatisticamente significativa (p = 0,003) da mediana do tempo de espera total segundo o estadiamento do tumor, obtendo-se 56 dias, 35 dias e 30 dias para os casos classificados até IIA, IIB-IIIB, e IVA-IVB, respectivamente.

Conclusões: Embora a maioria das mulheres tenha tido acesso à radioterapia dentro de 60 dias, a implementação de procedimentos para definição do estadiamento do tumor e restabelecimento das condições clínicas consumiu grande parte do tempo e precisa de aprimoramento. Ainda que o tempo de espera não tenha sido o ideal para todas as pacientes, os casos mais avançados chegaram mais rápido ao tratamento, sugerindo que o acesso à radioterapia para esse tipo de câncer tem sido alcançado com equidade.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

NASCIMENTO, Maria Isabel do; SILVA, Gulnar Azevedo e. Tempo de Espera para Radioterapia em Mulheres com Câncer do Colo do Útero. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 49, dez. 2015.

In English: Waiting Time for Radiotherapy in Women with Cervical Cancer.

Artigos relacionados:

 

Licença Creative Commons - by
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.

A Interação da Radiação Gama com a Matéria no Processo de Esterilização

A Interação da Radiação Gama com a Matéria no Processo de Esterilização

Autores: Renato César da Silva; Roberta Maria da SilvaKátia Aparecida S. Aquino.

A esterilização via radiação gama é utilizada como padrão internacional e o seu uso vem crescendo substancialmente nos processos nacionais. Nesta revisão será tratado o processo de interação da radiação ionizante com a matéria e seus efeitos, além das diversas aplicações de irradiação por raios gama como ferramenta eficiente para esterilização de materiais poliméricos e descontaminação ou redução de carga microbiana nos segmentos de alimentação e embalagens. Este é um método que consiste na exposição dos produtos à ação de ondas eletromagnéticas curtas, geradas a partir de fontes de Cobalto 60 e Césio 137 em um ambiente especialmente preparado para esse procedimento. Como as ondas eletromagnéticas possuem grande poder de penetração, os organismos podem ser alcançados onde quer que estejam, tanto em embalagens lacradas como em produtos acondicionados das mais variadas maneiras, o que garante a total eficácia do processo.

Para baixar o artigo completo acesse:

SILVA, Renato César da; SILVA, Roberta Maria da; AQUINO, Kátia Aparecida S. A Interação da Radiação Gama com a Matéria no Processo de Esterilização. Revista Virtual de Química, Niterói, v. 6, n. 6, nov./ dez. 2014.

Artigos relacionados:

 

Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

Proteção Radiológica e a Atitude de Trabalhadores de Enfermagem em Serviço de Hemodinâmica

Proteção Radiológica e a Atitude de Trabalhadores de Enfermagem em Serviço de Hemodinâmica

Autoras: Rita de Cássia Flôr; Francine Lima Gelbcke.

Estudo qualitativo realizado em serviço de hemodinâmica de Santa Catarina, Brasil. Objetivou-se analisar a atitude dos trabalhadores de enfermagem em relação ao uso das medidas de radioproteção em procedimentos intervencionistas. Utilizou-se a Metodologia da Psicodinâmica do Trabalho. Tal método se desenvolveu em diferentes etapas, a saber: a demanda e a pré-pesquisa, a pesquisa propriamente dita, o material da pesquisa, o método de interpretação e a validação. Ao todo foram realizados 36 encontros, no período de março a novembro de 2009, totalizando aproximadamente 54 horas de observação. Os resultados mostraram que os trabalhadores utilizam estratégia de defesa para justificar o uso incorreto, o desconhecimento ou mesmo a não utilização de algumas medidas de radioproteção, que foram evidenciadas por meio da alegação do desconforto e do peso das vestimentas de chumbo. Conclui-se que certas atitudes adotadas pelos trabalhadores referem-se também à falta de um programa de educação permanente que aborde essa temática.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

FLÔR, Rita de Cássia; GELBCKE, Francine Lima. Proteção Radiológica e a Atitude de Trabalhadores de Enfermagem em Serviço de Hemodinâmica. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 22, n. 2, p. 416-422, abr./ jun. 2013.

In English: Radiation Protection and the Attitude of Nursing Staff in a Cardiac Catherization Laboratory.

Artigos relacionados:

Artigo da mesma fonte:

 

by-nc
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

A Saúde do Trabalhador em Radiologia: Algumas Considerações

A Saúde do Trabalhador em Radiologia - Algumas Considerações

Autores: Cátia Inácia Brand; Rosane Teresinha Fontana; Antônio Vanderlei dos Santos.

Estudo exploratório, com desenho transversal, que teve como objetivo identificar sinais e sintomas autorreferidos por profissionais que trabalham em serviços de radiologia e os conhecimentos acerca da radioproteção e legislação. Os dados foram coletados junto a oito técnicos em radiologia que trabalham em três serviços localizados na região noroeste do estado do Rio Grande do Sul, utilizando-se um questionário autoaplicável e analisados mediante estatística descritiva. A cefaleia foi o sintoma mais citado pelos trabalhadores. Observou-se deficiência de saberes sobre legislação e uso de equipamentos de proteção individual. Acredita-se que a valorização no trabalho inicia com ações que privilegiem a segurança ocupacional, de modo a prevenir agravos e promover a saúde do trabalhador.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

BRAND, Cátia Inácia; FONTANA, Rosane Teresinha; SANTOS, Antônio Vanderlei dos. A Saúde do Trabalhador em Radiologia: Algumas Considerações. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 20, n. 1, p. 68-75, jan./ mar. 2011.

Artigos relacionados:

 

by-nc
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Avaliação de Dose Efetiva em um Fantoma Antropomórfico em Situações de Emergência Radiológica

Avaliação de Dose Efetiva em um Fantoma Antropomórfico em Situações de Emergência RadiológicaAutores: Livia da Silva; Denison Santos.

Para o caso de uma estimativa do risco decorrente da exposição de um indivíduo que tenha sido externamente exposto à radiação ionizante, principalmente no que se refere aos efeitos determinísticos e estocásticos à saúde humana, a avaliação de dose efetiva de radiação recebida é uma das informações mais expressivas para essa avaliação. Dessa maneira, devido ao labiríntico sistema utilizado em questão – o corpo humano – essa avaliação deve ser feita utilizando os simuladores físicos, mais conhecidos como fantomas (do inglês, phantoms). A ICRP em sua publicação 110 introduz os fantomas masculino e feminino de Voxel e na publicação 116, apresenta os coeficientes de conversão kerma no ar para dose absorvida em órgãos que se submetam a exposições externas à radiação em um feixe paralelo monoenergético a fótons. Dessa maneira, o presente trabalho pretende realizar uma modelagem da anatomia humana utilizando modelos de Voxels aplicados ao Código Monte Carlo e, através do software Visual Monte Carlo, que simula a irradiação do corpo humano. Fazendo, futuramente, uma avaliação de ambos os resultados com os limites de validade das expressões do TECDOC-1162 da IAEA para o caso de fonte puntiforme.

Para visualizar e baixar o artigo completo acesse:

SILVA, Livia da.; SANTOS, Denison. Avaliação de Dose Efetiva em um Fantoma Antropomórfico em Situações de Emergência Radiológica. Brazilian Journal of Radiation Sciences, Recife, v. 3, n. 1, p. 1-7, 2015.

Artigos relacionados:

Artigos da mesma fonte:

 

Licença Creative Commons - by
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional.